Para quem semeia na terra fértil do corpo

.Temas do Prof.

. Ambição

. O Caminho

. Cortar Lenha

. De Passagem

. A lenda do monge e do esc...

. Talvez ...

. Defeito ou qualidade?

. Oásis

. A Lagosta

. Estados de Espírito

. Compreender Metáforas 

. Baralho

. A Verdadeira Fé

. Síndroma do 100º Macaco

. O Fazendeiro, o Filho e o...

. Sempre foi assim

. O leão que pensava que er...

. Porcos Assados

. Capacidade

. Lixo

. Corrida de Sapos

. A Carroça

. Svetlana

. Injustiçado

. Flores Raras

. Palestra

. A Rosa

. Restaurante

. A prisão da Raiva

. Nasrudin e o Varal

. Espinho Alheio

. A última casa

. Conto Árabe sobre os Sonh...

. Milho Bom

. Construa Pontes

. Peixes

. O monge mordido

. O Cão e o Osso

. O pão

. Conto Judaico

. A Rosa

. Furo no Pneu

. A Rocha

. O sábio samurai

. A águia que foi criada co...

. A Montanha

. Flores no túmulo

. Não fica nada

. De onde vem o som do sino

. Apego

.Visite a página do Yoga de Leiria

http://www.yogadeleiria.pt/
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

O estandarte e o vento

O Zen segue sempre em frente. Não dá ex­plicações, apenas sugere. É conhecido o fa­moso episódio do discípulo que interroga o mestre:

"Qual é a verdadeira natureza do Buda? — O cipreste no pátio."

O Zen une o visível e o invisível, o quo­tidiano humilde e a realidade final, o relativo e o absoluto. O "cipreste no pátio", a flor à nossa frente, a pedra sob os nossos passos são os caminhos que levam para além do além do mais além.

Numa bela tarde de Primavera, um mestre zen volta duma caminhada. O tempo está delicioso, nem quente, nem frio, um tempo de equilibrio e de encanto com o qual a alma espontaneamente se harmoniza. Sopra um ligeira brisa e, chegando ao portão do mos­teiro, o mestre constata que o estandarte com a efígie do Buda ondula docemente ao vento. Dois jovens noviços estão plantados diante dele.

"É o estandarte que se agita!

Não, é o vento!

Segundo a boa doutrina, o que importa é o que vemos diante de nós agora. E é o estandarte, ele agita-se!

De maneira nenhuma, a tua visão está errada, porque a agitação do estandarte não é senão consequência do vento, é ele a causa primeira, a realidade para além da aparência.

Mas a existência do vento é uma hipó­tese!

O estandarte não se agita sem motivo, a sua realidade é constitutiva do vento!

Pura especulação!

Evidência!

Não, de maneira nenhuma!

Mas sim!"

Os dois monges exaltam-se, o que não pas­sava duma tranquila conversa torna-se uma disputa, uma batalha. Pouco falta para que se batam. É então que avistam o mestre do templo, que os olha impassível. Um pouco confusos, apelam para ele:

"Mestre, é o estandarte que se agita, é o vento?

Não é o estandarte, não é o vento, é o vosso espírito que se agita."

"O Zen é um mistério. No momento em que um pensamento o toca, desaparece.


publicado por Yoga Leiria às 08:54

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.Visitas

.subscrever feeds